INVESTIDORES PODEM COLABORAR COM PROJETO DE ROBOTICA EM PONTA PORÃ

- 09/07/2015 - 0:00 | 0 comentários
Tecnologia


9e02b4257c05e19434bd28a1f3ded3e5

Integrantes do “Nerds da Fronteira” são considerados os melhores do estado e destacam-se em nível nacional na área de robótica.

Os acadêmicos do Câmpus de Ponta Porã da Universidade Federal do Mato Grosso do Sul (UFMS) estão entre os melhores do país e do estado no desenvolvimento na área de robótica. Com projetos avançados e inovadores, os universitários desenvolvem robôs, aplicativos e dispositivos que podem colaborar no dia a dia na área de educação, medicina, informática e segurança.

Os acadêmicos bucam parcerias para que, ainda este ano, tenham tempo suficiente para fazer os testes necessário nos robôs e chegar à competição preparados, “pretendemos construir uma arena semelhante à utilizada na competição a nível nacional, razão pelo que procuramos patrocinadores que possa doar os materiais necessários para a construção da arena”, manifestou o professor responsável por uma das equipes, Glauder Ghinozzi, Email glauderguimaraes@gmail.com

Segundo informações, as empresas e patrocinadores que estejam interessados no desenvolvimento das ciências tecnológicas em Ponta Porã podem entrar em contato no Câmpus de Ponta Porã da UFMS, através dos acadêmicos, Alessandro Baldi, Camila Leite, João Felberg, Lucas Abreu ou com os Professores, Glauder Ghinozzi e Leandro Feuser. Os interessados poderão conhecer os projetos desenvolvidos pelos universitários em Ponta Porã, apoiar e participar da realização de futuros projetos.

Lembrando que os acadêmicos do Câmpus de Ponta Porã da UFMS desenvolvem excelentes projetos e possuem equipes que competirão com equipes de grandes universidades. De qualquer modo, os nossos acadêmicos já se destacam pela qualidade e importância dos projetos que buscam levar qualidade de vida à população do Mato Grosso do Sul, segundo informou Rafael Martins Chimenes, rafaelmartinsd21@gmail.com

A equipe de Robótica “Nerds da Fronteira” disputou, em 2014, a categoria OPEN do Campeonato Brasileiro de Robótica (CBR) e do Concurso Latino-Americano de Robótica (LARC) e participará, novamente, em outubro desse ano, das provas nacionais que selecionam equipes para a Etapa Mundial. Nesse contexto, os acadêmicos procuram patrocinadores que possam colaborar no desenvolvimento dos projetos de robótica realizados aqui. Dessa forma, os empresários e a sociedade têm a chance de apoiarem e participarem, como patrocinadores, do desenvolvimento da robótica em nossa região.

O próximo evento acontecerá na cidade de Uberlândia, Minas Gerais, entre os dias 27 de outubro a 1º de novembro deste ano. Todo apoio e colaboração que possa ser obtido através da sociedade e dos empresários locais é de fundamental importância para que Ponta Porã possa se destacar, mais uma vez, e tenha representantes de alto nível que possam levar o nome da nossa cidade ao maior evento de robótica no país.
 

No ano passado a equipe de Ponta Porã disputou com equipes de grandes instituições, como a equipe da USP (São Paulo), UnB (Brasília), UNEFA (Venezuela), entre outras que participaram do evento. A equipe “Nerds da Fronteira” só não se classificou para a final por tempo. O apoio obtido através de patrocínio viabilizará a criação do cenário adequado para os treinamentos, possibilitando um melhor desempenho este ano.

Os patrocinadores e interessados em apoiar podem realizar a doação de uma piscina de plástico com 2 metros quadrados, que custa cerca de R$ 250,00. Também é necessária, para os treinos, a construção de arenas para que as equipes possam testar os robôs projetados para as essa e outras modalidades da competição.

Esta prova simula o transporte de barris de petróleo em segurança para uma plataforma que está no meio da piscina.

Os problemas propostos para as provas da modalidade têm o objetivo de apresentar um desafio de alto nível para os alunos. Os acadêmicos devem montar de um robô autônomo para realizar uma tarefa que é alterada a cada período. A ideia é reproduzir desafios reais para a robótica, em uma escala menor, razão pela que os “Nerds da Fronteira” necessitam com urgência de apoio para a construção dos ambientes adequados para essas simulações que, no futuro, podem ser revertidas em benefício da sociedade.


Deixe um Comentário