Candidatos são listados, mas incertezas deixam cargo em aberto

- 05/08/2015 - 0:00 | 0 comentários
Política


ac4dbc5bf3793d268025746e30ceec34

Em reunião na segunda-feira (03), o PMDB definiu os quatro possíveis candidatos do partido para a Prefeitura de Campo Grande em 2016, são eles: Marquinhos Trad (que está atualmente articulando com o PTN de Claudio Sertão uma possível candidatura a prefeito de Campo Grande MS pelo partido), Carlos Marun, Waldemir Moka e Simone Tebet. Ao mesmo tempo, indicados demonstram incertezas e o cargo de candidato permanecerá em aberto até o dia 30 de setembro.

Até o final de setembro, o PMDB, partido que administrou Campo Grande por mais de 15 anos, irá definir qual será o seu candidato para tentar retomar o poder. Na lista dos mais indicados, ou os mais preferidos pelo eleitorado, estão: o deputado federal Carlos Marun, o deputado estadual Marquinhos Trad e os senadores Waldemir Moka e Simone Tebet. Na segunda-feira (04), os líderes da legenda estiveram reunidos na sede do diretório estadual para tratar deste assunto.

No mesmo dia, mas no período matutino, o presidente regional do PMDB em Mato Grosso do Sul, deputado estadual Junior Mochi, disse que o mais favorito dos selecionados é o colega Marquinhos Trad. “Em todas as pesquisas que realizamos, com todas as possíveis concorrências ao cargo, o nome de Marquinhos sempre apareceu em primeiro lugar e com boa vantagem frente ao segundo colocado”, declarou, durante a inauguração da UEMS. Entretanto, a relação entre o postulante e o partido está em crise desde o ano passado, o próprio já informou que pretende deixar o PMDB assim que a ‘janela política’ for aberta.

Dos nomes, apenas o deputado Marun declarou ser favorável à sua candidatura. O parlamentar também conta com o apoio intocável do ex-governador André Puccinelli, um dos lideres da legenda. Porém, o ex-secretário estadual de Habitação não dispõe de uma boa popularidade para conseguir ser eleito, além do mais, por pertencer ao grupo de Puccinelli, o postulante pode acabar prejudicado, tendo em vista o descontentamento da sociedade diante ao escândalo da ‘Lama Asfáltica’.

Entre os senadores, as chances de Moka concorrer a Prefeitura são maiores do que Simone. O primeiro está no fim do mandato enquanto ela entrou este ano. Ao mesmo tempo, o senador tem preferência por sua reeleição, o que deve acontecer somente em 2018, mas existe uma possibilidade de André Puccinelli ser o indicado do partido para o Senado, com base nessa teoria, Moka pode acabar aceitando o convite e disputando a prefeitura no próximo ano.

A operação ‘Lama Asfáltica’ tirou o nome de alguns que se diziam pré-candidatos, como o próprio ex-governador, o ex-prefeito Nelson Trad Filho e o ex-secretário de Obras Públicas, Edson Giroto, então tido como o mais indicado. Apesar de o partido ter listado estes quatro nomes para concorrer à preferência interna da legenda, outros podem surgir, como o próprio presidente regional e presidente da Assembleia Legislativa, Junior Mochi, da deputada estadual Antonieta Amorim e os vereadores Mário Cesar e Paulo Siufi. A decisão só virá no dia 30 de setembro.


Deixe um Comentário