Bombeiros emitem alerta e dizem como evitar ataque de abelhas

Nesta semana, um idoso de 70 anos foi vítima de um enxame em uma praça, em Três Lagoas

Ascom Bombeiros - 10/02/2023 - 7:33 | 0 comentários
Geral


Ataques de abelhas podem matar. Foto: Assessoria

Apesar de serem comuns durante todo o ano, os ataques de abelhas crescem consideravelmente entre as estações da primavera e verão, já que esses insetos ficam mais agitados e agressivos com o calor. Nesta semana, um idoso de 70 anos foi vítima de um enxame em uma praça, em Três Lagoas, mas foi socorrido pelo Corpo de Bombeiros e passa bem. Para evitar esses acidentes, a Corporação dá dicas importantes.

A preocupação com enxame ou colmeia de abelhas não é em vão, já que em caso de ataque desses insetos, dependendo da quantidade de picadas, a vítima pode morrer, em especial os alérgicos. A primeira orientação do Corpo de Bombeiros é que a unidade militar seja acionada e que todos mantenham distância do local onde o enxame ou mesmo a colmeia tenham sido vistos.

“Seja em um enxame, com abelhas migratórias (em deslocamento), ou em uma colmeia (abrigo construído em um local fixo), a primeira dica de segurança é se afastar do local e acionar o Corpo de Bombeiros. Nós fazemos a vistoria e o extermínio do inseto. Em muitos casos, apicultores são chamados para realizar a retiradas das abelhas e levá-las para um local apropriado na natureza”, explicou o tenente-coronel do Corpo de Bombeiros de Mato Grosso do Sul, Antonio Cezar Pereira.

Porém, quando ocorre um ataque de abelhas, a recomendação é clara: corra. “Fugi, correr e se afastar o mais rápido possível do local da colmeia porque esse tipo de inseto quer proteger a colmeia que, para eles, está sob ataque. Algumas pessoas acham que devem agachar, mas isso não é recomendado”, ressaltou.

Outra dica valiosa é informar às pessoas que frequentam aquele determinado local para que se afastem, evitando que se surpreendam com o perigo. A sensibilidade destes insetos também precisa ser levada em conta. “As abelhas são sensíveis a barulho e também a odores fortes. Então, além de acionar o Corpo de Bombeiros e isolar o local, é preciso ficar atento a esses detalhes. Não fazer barulho, não exalar essências ou cheios fortes. As abelhas podem ficar agressivas nestes casos”, explicou.

Jogar inseticida, colocar fogo, jogar pedra ou qualquer outro objeto nas abelhas não faz parte das recomendações de segurança, pelo contrário, a situação pode se agravar. “Também é importante retirar ao animas de estimação do local, já que as abelhas também podem atacar os pets”, lembrou o coronel.

Com as plantas florindo na primavera, as abelhas iniciam de forma intensa a colheita do néctar e do pólen. Também é neste período do ano, entre a primavera e o verão, que se concentra a temporada de reprodução das abelhas. Elas se reproduzem e começam a buscar um local para fazer a colmeia e ali se instalar. Esse processo é chamado de enxameação, quando a rainha, acompanhada de abelhas operárias deixa um lugar à procura de um novo lar. Estes enxames migratórios podem assustar.

O coronel Cezar explica que no caso das abelhas que estão migrando, é comum que elas façam paradas para o descanso. “Neste caso, elas param em qualquer lugar. Então é preciso estar atento e não se apavorar”.

Se mesmo com todas as estratégias de segurança houver algum incidente, é importante observar as reações alérgicas. Para o coordenador estadual de Vigilância em Saúde Ambiental e do Civitox (Centro Integrado de Vigilância Toxicológica), Karyston Adriel Machado, nos casos de vítimas hipersensíveis ao veneno do inseto – que já tem conhecimento desta condição alérgica-, ou que após uma única picada sinta falta de ar, o atendimento médico deve ser urgente.


Deixe um Comentário