INVASÕES MOVIMENTA PRODUTOR RURAL E A POLITICA NO MS

- 01/07/2015 - 0:00 | 0 comentários
Economia


9cb6e71fd379c0a6d58ef216f9910ae9

Deputados Estaduais e Federais realizam assembleia para debaterá conflito agrário no Mato Grosso do Sul.

Deputados estaduais e federais de Mato Grosso do Sul estão buscando agendar uma audiência com o ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, em uma tentativa desesperada de dar solução ao conflito por terras consideradas indígenas em Mato Grosso do Sul.

Mara Caseiro (PTdoB), Zé Teixeira (DEM), Paulo Corrêa (PR), Antonieta Amorim (PMDB) e Eduardo Rocha (PMDB) encabeçam o movimento na Assembleia Legislativa. Eles agendaram para o dia 6 de julho, às 10h, nova audiência pública para tratar sobre o tema.

O debate foi solicitado pelos próprios produtores rurais, que se reuniram na segunda-feira (29), com parlamentares e prefeitos na sede da Associação dos Municípios de Mato Grosso do Sul (Assomasul). A reunião aconteceu após as últimas invasões ocorridas a região Sul do Estado.

Nos últimos dias, três propriedades rurais foram ocupadas pelos indígenas. Na segunda-feira (22), a fazenda Madama, em Coronel Sapucaia, foi invadida. Os índios só deixaram o local depois de produtores rurais enfrentá-los. Em Aral Moreia, as fazendas Água Boa e 27 Estrelas também foram ocupadas pelos índios na quarta-feira (24).

Durante o encontro na Assomasul, Mara Caseiro desabafou e disse que tem vergonha de pertencer à classe política em um país “tão sem vergonha quanto o Brasil”.

“Não sei mais o que podemos fazer, dá muito desânimo, porque já conversamos com a ministra Gleisi Hoffmann, levamos todas as demandas discutidas em audiência pública aqui em Mato Grosso do Sul, falamos com o ministro José Eduardo Cardozo, pedimos socorro, mas nada aconteceu”, lamentou, destacando que a classe produtora está saindo totalmente enfraquecida desse processo.

Para a deputada, trata-se de uma ação orquestrada para acabar com o setor produtivo no País, sem que a presidente Dilma Rousseff tome qualquer tipo de providência.

“Me causa indignação ver as pessoas terem que sair de suas casas, vendo suas propriedades invadidas sem nada poderem fazer. Me causa desespero saber quer as propriedades estão sendo depredadas, que as lavouras e insumos e estão sendo destruídos, e ninguém faz nada. Rasgam a Constituição brasileira e fica tudo por isso mesmo”, disparou.

No início do mês o governador do Estado, Reinaldo Azambuja (PSDB), conversou com o ministro da Justiça sobre a questão indígena. Na ocasião, ele se comprometeu em dar um posicionamento em 30 dias, mas até agora não houve respaldo.

Agora, a bancada federal tenta uma nova agenda não só com José Eduardo Cardozo, mas também com o presidente do STF (Superior Tribunal de Justiça), ministro Ricardo Lewandowski.