Festival América do Sul traz preservação do patrimônio histórico de Corumbá

Os antigos e sólidos casarões acumularam, no passado, as funções de armazéns, depósitos de peles, escritórios, casas bancárias, consulados, entre outras

Assessoria do Governo - 09/11/2023 - 15:50 | 0 comentários
Cidadania


Patrimônio Histórico. Foto: Bruno Rezende

“Corumbá abre as portas”, inclusive, do conhecimento. O slogan do 17º Festival América do Sul (FAS 2023) reflete bem o espírito do evento, que acontece de 9 a 12 de novembro, em Corumbá. Além de muita dança, teatro, música e outras artes, o FAS 2023 também é história e ensino, com a realização de oficinas como a de Educação Patrimonial, que ocorreu na manhã desta quinta-feira (9), na Escola Municipal Cyríaco Félix Toledo.

Entre os exercícios lúdicos durante a oficina, foi proposto aos participantes sugerir novas funcionalidades para o conjunto arquitetônico, de estilos variados, conhecido como Casario do Porto, e que contempla edificações que datam do início do século 19, à beira do rio Paraguai.

Cerca de 30 alunos do oitavo ano do ensino fundamental, entre 12 e 15 anos de idade, trouxeram as majestosas construções para o presente e futuro, introduzindo aplicabilidades dentro do contexto da vida moderna.

Os antigos e sólidos casarões acumularam, no passado, as funções de armazéns, depósitos de peles, escritórios, casas bancárias, consulados, entre outras. Nesta época, a população era de aproximadamente 10 mil habitantes, sendo quase metade composta por imigrantes, em sua maioria, negociantes e empresários.

A arte educadora Vanessa Basso, da Fundação de Cultura de Mato Grosso do Sul, e que ministrou a oficina, explica que a proposta é preservar os bens materiais, imateriais e naturais na região da cidade de Corumbá. “Esta conscientização é muito importante porque são as crianças e adolescentes que vão reproduzir durante a vida e dentro da comunidade que o patrimônio cultural é aquilo que nos representa, que conta a nossa história, características da comunidade e da memória cultural”, garante.

Para a educadora, preservar esses bens é valorizar a vivência humana. É a primeira vez que a oficina acontece durante o Festival.

O jovem Nathã Costa Dias do Nascimento, de 15 anos, revelou que incluiria, na sua proposta para nova funcionalidade dos casarios, um projeto de museu para relembrar a história da cidade e da Guerra do Paraguai. “O Festival ainda proporciona conhecer novas culturas dos nossos vizinhos latinos”, acrescentou o estudante.

Para a diretora da Escola, Lucimari Sara das Neves, a iniciativa da oficina incentiva os alunos a pensarem. “O Festival é encantador, a cultura é enriquecedora. Muitos alunos não teriam a chance de assistir fora da cidade shows e outras atrações e de forma gratuita”, comentou.


Deixe um Comentário